Estado de Goiás

UEG finaliza 2012 com balanço positivo de ações  

 

A Universidade Estadual de Goiás (UEG) finaliza 2012 com um balanço positivo de suas ações e que a consolida como instituição de referência no Estado. Distribuída por todas a microrregiões de Goiás, a UEG cumpre seu papel de contribuir para o desenvolvimento humano da população goiana e também para a economia do Estado, que este ano registra um dos melhores resultados, com destaque para sua expansão econômica superior a 7%.

Apesar de 2012 ter começado de forma conturbada com o afastamento, em fevereiro, do ex-reitor Luiz Antônio Arantes, o ano termina de forma tranquila e com a consolidação na nova administração central da instituição. Em setembro a comunidade acadêmica elegeu de forma democrática o professor Haroldo Reimer como o novo reitor, que já comandava a UEG de forma interina desde fevereiro. Ele e a professora Valcemia Novaes - vice-reitora, venceram a eleição com a preferência de 91,49% dos 14.615 eleitores que compareceram às urnas. Os dois foram empossados nos cargos pelo governador Marconi Perillo em 20 de novembro, em uma grande cerimônia do Teatro Escola Basileu França, em Goiânia.

Uma nova conquista da instituição neste ano foi a manutenção do conceito 3 no Índice Geral de Cursos (IGC), avaliação relativa a 2011, realizada pelo Ministério da Educação (MEC) que indica a qualidade dos cursos ofertados pela instituição. O IGC é baseado numa média ponderada das notas dos cursos de graduação e pós-graduação de cada instituição e avaliação de outros dados sobre a instituição. Os conceitos atribuídos às instituições de todo País variam de 1 a 5. Para chegar ao IGC da UEG, 97 cursos foram avaliados, dos quais seis tiveram nota 1; 29 nota 2; 43 conseguiram alcançar avaliação 3; 18 tiveram pontuação 4; e um curso conseguiu nota 5. Além de manter o conceito 3, a UEG avançou 15,6% no ICG contínuo, subindo da posição 1,95 para 2,27.

O ano de 2012 também é marcado pela elevação do número de pós-graduações stricto sensu oferecidas pela UEG. A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), ligada ao MEC, aprovou dois novos cursos de mestrado. Os dois cursos terão início em janeiro de 2013 e serão ministrados em Anápolis. Foram aprovados os mestrados em Recursos Naturais do Cerrado, com conceito 4; e em Territórios e Expressões Culturais no Cerrado, com conceito 3. “Propusemos no nosso plano de trabalho para os próximos quatro anos chegar a dez mestrados e dois doutorados. Com as propostas aprovadas pela Capes neste ano, já chegamos ao total de 6 mestrados, tendo havido um aumento de 150%  em relação a 2010”, destacou o reitor Haroldo Reimer.

Graças aos mais diversos recursos destinados à UEG, várias ações e aperfeiçoamentos puderam ser colocados em prática. Os recursos conseguidos junto à Capes, ao MEC e à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg), totalizaram mais de R$ 2,2 milhões. As verbas são para estruturação de laboratórios, aquisição de acervo bibliográfico, investimento em projetos de pesquisa e também para a realização de atividades nas áreas de extensão. O reitor Haroldo Reimer também esteve em Brasília para visitar parlamentares da bancada goiana no Congresso Nacional e solicitar a inclusão de emenda parlamentar de bancada à UEG no Orçamento de 2013 na ordem de R$ 1,5 milhão, além de emendas parlamentares individuais.

Na área de intercâmbio, só este ano mais de 100 acadêmicos da UEG estudaram ou estudam em universidades de outros países, no âmbito dos convênios de cooperação bilaterais ou do programa Ciência sem Fronteiras, do governo federal. A maioria dos alunos fez o intercâmbio na modalidade sanduíche, em que o acadêmico cursa parte da matriz curricular no exterior e retorna ao País para a conclusão da graduação. Portugal, onde a UEG tem convênios com as Universidades de Coimbra e Porto, além do Instituto Politécnico da Guarda, foi o destino preferido dos alunos, mas também há alunos na Austrália, Estados Unidos, Canadá, Holanda, Espanha, Itália. Por duas vezes, o reitor esteve no exterior para buscar novas parceiras ou fortalecer as existentes.

Entre os avanços de 2012 também estão a orientação de mais de 300 projetos de pesquisas de alunos da instituição e que são bolsistas do Programa de Iniciação Científica pela UEG. Segundo dados da Coordenação de Iniciação Científica da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PrP), a UEG oferece atualmente 259 bolsas de Iniciação Científica, com recursos próprios e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), nas modalidades Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC); Programa Institucional de Bolsas de Iniciação – Ações Afirmativas (PIBIC-AF); Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI); Programa de Bolsas de Iniciação Científica (PBIC); e Programa Voluntário de Iniciação Científica (PVIC). Além destas bolsas, neste ano a UEG também conseguiu 240 bolsas do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID), para a inserção de alunos das licenciaturas nas atividades do magistério na rede estadual de ensino.

A autoavaliação e a Avaliação Institucional também estão em constante processo de amadurecimento. Neste ano as discussões sobre o papel da Universidade, sua constante relação com a sociedade e com seus agentes internos foram destaque do II Seminário da Avaliação Institucional em que vários segmentos da comunidade acadêmica passaram por uma qualificação sobre os processos avaliativos e sua inserção no Planejamento Estratégico da Instituição. Tais atividades de avaliação continuada buscam melhorar o desempenho da Universidade em todas as suas dimensões.

Ganha destaque também, desta vez na área da Graduação, o reconhecimento de cursos e a renovação do reconhecimento de cursos pelo Conselho Estadual de Educação (CEE). A Câmara de Educação Superior do CEE deu parecer favorável ao reconhecimento do curso de Comunicação Social/Audiovisual da Unidade Universitária de Goiânia – Laranjeiras e a renovação dos cursos de Ciências Contábeis da Unidade Universitária de Morrinhos (até 2015); o de Matemática da Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas de Anápolis (até 2016); o de Administração da Unidade Universitária de Goianésia (até 2015) e o de Geografia, da Unidade Universitária de Quirinópolis (até 2015). Com isso, a demanda por avaliações começa a entrar em ritmo mais acelerado, devendo culminar em 2013 com a renovação do credenciamento da UEG como universidade.

As ações extensionistas foram discutidas e avaliadas em vários processos com destaque para a inclusão da UEG numa rede de informações sobre a importância da ampliação dos debates sobre a articulação entre ensino, pesquisa e extensão, com foco na formação profissional e social junto às comunidades. O Programa de Incubadoras da UEG se insere neste contexto ao possibilitar que novas ideias empreendedoras ganhem forma e conteúdo com o apoio e incentivo da Universidade. Destaca-se a atuação da equipe com aprovação de vários projetos submetidos a agências de fomento.

Neste mês a UEG também integrou um momento histórico para as instituições públicas de ensino superior no Estado de Goiás, quando quatro reitores assinaram o protocolo que implantou o Fórum das Instituições Públicas de Ensino Superior de Goiás (FORIPES). Assinaram o documento os reitores Edward Madureira Brasil, da Universidade Federal de Goiás (UFG); Paulo César Pereira, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFG); Vicente Pereira de Almeida, do Instituto Federal Goiano (IFGoiano); e Haroldo Reimer, da UEG. O Fórum tem o objetivo de discutir experiências e iniciativas conjuntas entre as quatro instituições, de forma a implantar ações, evitar sobreposição de oferta de cursos, proporcionar qualificação conjunta para os servidores, facilitar a mobilidade estudantil e promover ações culturais conjuntas.

Para o ano de 2013, A UEG deverá passar por vários desafios, destaca o reitor Haroldo Reimer. “Para mim em particular, que assumi a Universidade interinamente e meses depois fui eleito pela maioria dos votos, os desafios são constantes. Elevar o nome da UEG ao patamar da excelência acadêmica exigirá de todos um compromisso diário. Espero em 2013 superar com passos firmes as dificuldades e começar a preparar a Instituição para os novos desafios que a Educação Superior no Brasil está a nos exigir”.

Notícia publicada em 21/12/2012
BR 153 Quadra Área, Km 99, Anápolis-Goiás